Transformação digital: Digitalizar os Processos do Seu Negócio Não é Mais um Diferencial, É Essencial

Transformação digital: Digitalizar os Processos do Seu Negócio Não é Mais um Diferencial, É Essencial

Imagine o seu dia-a-dia: confirmamos nossa agenda de trabalho pela manhã através de um smartphone, recebemos atendimento do banco sem precisar estar fisicamente nele, fazemos reuniões de trabalho também pelo celular, tablet ou notebook. Estamos totalmente incluídos em uma cultura digital, certo?

Não se trata mais de um diferencial. Hoje, as empresas que não conseguem oferecer a digitalização de processos, limita os consumidores a irem até elas, e dá um passo atrás diante da concorrência (e das tendências mundiais).

Ao adotarmos novas tecnologias, mudamos nosso comportamento. Mais do que uma questão estrutural, a transformação digital se estabelece como uma cultura. Por que sua empresa deve estar inserida nela?

 

Entendendo a transformação digital

Você pode pensar “Ok! Basta inserir minha empresa no meio virtual”. A transformação digital está muito além disso. Não é apenas transpor sua empresa ao meio, mas participar de toda a cultura.

A transformação digital é uma cultura que utiliza a tecnologia para aplicar às operações tradicionais de negócios, aproveitando a capacidade para melhorar o desempenho e performance. De que forma? Através da automação, migração de nuvem (Cloud Ops), virtualização, experiência do usuário (UX), etc.

Por exemplo, na cultura Data Driven, que coleta e analisa diversos dados da sua empresa, através de ferramentas, e, por sua vez, esses dados oferecem uma base para a tomada de decisões estratégicas, eliminando ‘achismos’ e diminuindo riscos. Detalhes como aceitação de um produto, demanda, experiência do consumidor, são extraídos através desse conceito.

Ou seja, através de uma ferramenta digital, sua empresa pode captar informações importantes para o planejamento estratégico, atuação e performance. A transformação digital trouxe às empresas, através dos recursos tecnológicos, a otimização de processos, automatização de trabalhos manuais e a interpretação de dados fornecidos pelos usuários.

 

Digitalizar ou morrer

 O que aconteceu no cenário inicial da pandemia foi a “morte” das pequenas e médias empresas. Devido a maioria estarem ancoradas em infraestrutura física, muitos que não puderam transpor produtos e serviços para o meio digital, tiveram que fechar suas portas.

Um estudo do Flipping The Odds of Digital Transformation, do Boston Consulting Group (BCG), constatou que só 23% das empresas brasileiras atingiram todos os objetivos de suas transformações digitais em 2021.

Não se trata mais de uma “vantagem”, mas uma necessidade. Como enunciado, usuários e consumidores estão inseridos em uma cultura, e procuram empresas que também estejam inseridas nessa cultura digital. Para muitos, quanto mais tecnológica é uma empresa, mais atrativa ela se torna.

É comum, por exemplo, verificarmos a segurança de uma empresa através de sua estética e performance no site ou rede social. Bem como, quanto mais fáceis são os processos para a resolução de problemas, mais o consumidor fica atraído por ela (e mais credibilidade ele atribui). A empresa que não oferece ao usuário a possibilidade de receber atendimento, produtos e serviços via estrutura digital, acaba dando lugar a quem oferece.

Ao digitalizar, você comprova ao cliente que todas suas necessidades serão feitas de maneira mais fácil, evitando ao máximo a necessidade de locomoção física, diminuindo o tempo de resposta e aumentando a satisfação em geral. 

Melhorando a experiência do cliente

A experiência do cliente é a base para a maior parte das transformações digitais que as empresas buscam. Resolver o problema dos clientes e funcionários é uma das possibilidades da transformação. Por exemplo, clientes em isolamento social (como exigiu a pandemia), continuavam a necessitar de serviços como o de bancos, alimentação, serviço de medicação. Através de ferramentas digitais, a limitação física não foi grande exigência, já que usando um smartphone, o usuário podia solicitar pedidos, serviços e verificar sua conta.

Basta oferecer um serviço digital? Não! Ele precisa ser eficaz, precisa ser uma ferramenta fácil de utilizar, e precisa de um tempo de resposta ágil para termos uma experiência do usuário satisfatória. Em nosso case da Stone, fomos desafiados a apresentar uma forma de suprir os times de produtos e operações que possibilitasse agilizar as entregas que os times de Engenharia de Software não conseguiam atender. Como resultado, as demandas foram atendidas, e a experiência do cliente, otimizada.

Nós da Groove, auxiliamos sua empresa com projetos inovadores, a se inserir na cultura digital, e otimizar seus serviços e operações. Conheça nossos cases, e dê esse passo à transformação conosco.